Bebê nasceu menino e se tornou menina com apenas um mês de vida
23/09/2021

PUBLICIDADE

Toda futura mamãe tem grande curiosidade sobre o sexo de seu bebê, o que pode até causar muita ansiedade aos pais. E isso não é exceção para esta mãe e meu pai.

Os residentes da África do Sul, Madeleshia e Kenneth, têm uma filha de três anos. Eles estão muito animados com a chegada de seu bebê, desta vez um menino.

O filho do casal foi nomeado Kenneth como seu pai. Para eles, a maior surpresa ainda não aconteceu, o que mudaria completamente a forma como o filho.

A alegria de ter um menino durou apenas um mês, e o médico da mãe disse ao casal que o filho deles seria uma linda menina.

Curiosamente, Madeleshia fez vários exames para descobrir o sexo do bebê durante os nove meses de gravidez, e às vezes os médicos tinham dúvidas sobre o sexo.

PUBLICIDADE

A cada novo ultrassom eles mudavam as informações, agora será um menino, agora será uma menina, conforme entrevista ao Daily Mail britânico.

"Quando eu fiz o primeiro ultrassom, o médico achou que meu bebê era uma menina; no segundo ultrassom, eles também disseram que era uma menina.

Mas depois de um tempo, eu fiz o terceiro ultrassom, e então eles disseram que o bebê é um menino. Acho que o sexo do meu bebê muda a cada minuto. Mas eu não esperava que eles confundir-se à respeito do sexo do meu bebê após o nascimento!

Na verdade, depois da terceira ultrassonografia, em todas as outras ultrassonografias, o médico continua dizendo que meu filho é um menino", relatou.

Como a última ultrassonografia mostrou que ele era do sexo masculino, a mãe conseguiu preparar o enxoval para o bebê no dia do nascimento.

PUBLICIDADE

Durante o parto, o médico examinou o recém-nascido e confirmou que era um menino. A mãe ainda disse: "Mesmo quando ele nasceu, o médico disse a eles que eles foram examinados e eles disseram que seu filho era um menino".

Com o passar dos dias, eles começaram a perceber que o pipi do menino estava diferente e pediram uma nova avaliação médica. Naquela época, veio a notícia: "Estamos todos chocados, não faz sentido", lembrou a mãe ao saber que era menina.

Mesmo depois de muitos testes, descobriu-se que a hiperplasia adrenal congênita é rara e geralmente afeta cerca de um em 15 mil bebês.

O tipo de hiperplasia encontrada leva à falta das enzimas originais que produzem os hormônios aldosterona e cortisol. Esses dois hormônios são responsáveis ​​por regular os andrógenos, então os órgãos genitais do bebê ficam inchados. Esse fato confunde a todos.

PUBLICIDADE

A hiperplasia adrenal congênita pode ser tratada com hormônios diários. Os pais da menina disseram que a surpresa foi ótima, entretanto, amigos e familiares estavam todos presentes: "Eles ficaram chocados com a notícia, mas nos apoiaram muito."

Após o tratamento, a menina mudou seu nome para Mackenzie e agora é uma linda menina. Este ano, com oito anos, há uma irmã mais nova.

PUBLICIDADE

AD
Artigo